5 de out de 2013

" Avenida Anchieta "


Eu me abrigava na rede . Sentia tanta proteção,ali,enrolada naquele tecido forte e xadrez. 
Não havia frio,nem calor. Havia aconchego,esconderijo. Dias em que eu fugia do mundo. 
Noites em que eu acreditava no amor. 

O amor me salvaria,sustentaria e traria a felicidade para mim. 
E a rede entendia o meu coração.Indo e vindo. 
O balanço  me jogava aos braços de Beatriz e de Jacques Brel. 

Não me deixes mais. O Remy Martin e  o Pacco Rabane impregnavam,delicadamente, cada ponto da rede.
Não precisava de mais nada naquela casa. A rede e  os meus sonhos ocupavam todos os cômodos,esplendidamente vazios. Minha rede,meu reino forte. Meu  amor até a morte.

Neusa Doretto

Um comentário:

Mara faturi disse...

E o embalo da poesia em nossos dias!!!Lindo sister! bjo