22 de mai de 2011

fina pauta






Água em boca ardente
Decifro-me à gramática
Em adestrada simetria
Inadequada.

E aos devidos fins
Assumo garantir
Com toda mesmice atravancada
Em fina pauta
Que é amor, despertador e tagarelice
Todo meu eclipse
Agora seu.
(Minha fase lunar em órbita)

E tão vital ao meu recreio
Torna-se a vida que arrebenta
a corda
do desejo
das pontes de um longo beijo
E apago - grão por grão -
O rastro de outro deus.









Image by yaldIz

9 de mai de 2011

narrativa curta


ficou de quatro na cama. mas não recuperou a aliança que perdera. 

ítalo.