28 de dez de 2012

FLUXOS

Veloz e voraz
o beija-flor
furta cor,
sorve néctar,
voa no vidro,
à janela jaz
e a moça
que adoça o chá
lhe faz
branca mortalha
do pano de linho
em seu regaço
e o deita na foz
estreita do riacho.






24 de dez de 2012

felicidade


ainda que depressa
por mais que não possa
passeie por mim
'felicidoce'

mesmo que passe
permeça assim [açúcar]
:
 suave saudade



valéria tarelho


Paz e amor a todos da família "curta-metragem" e aos que passeiam por aqui.

Beijos,
Val


21 de dez de 2012

PRESA




Uma gaiola vazia são grades,

com a ave, saudades

do voo rasante e preciso

ao encontrar o amor

e perder os sentidos.


18 de dez de 2012

Verões























Isso
da alegria passa

sem
deixar
pegada
alguma


E o grande amor
da vida
é a pele exposta ao sol:


Doura
embeleza
descasca
e cai




Neusa Doretto

13 de dez de 2012


Hoje estou um tanto
cactus
pedra de rio


e por mais que a água
bata e insista

- hoje o musgo não vira poesia...





12 de dez de 2012

Visita

















Amanheço
Medindo o chão das minhas ilusões:
Porto onde vivo
Eu a  convido para hoje
Para amanhã
Ou 
Para um dia

Enrolada em sonhos
Eu sirvo poesia

Neusa Doretto


7 de dez de 2012

NAMORANDO


o avesso do verso

não se escreve,

se namora

até sair leite,

ficar sexy

e jogar fora

todo o por demais,

os pormenores

fatídicos e fatais

à relação que avança

proporcionalmente inversa

a qualquer sentido

5 de dez de 2012

Nosso























Preciso ser comida pelos seus olhos.
Digerida pelo seu coração. Preciso alimentar o tronco. Matar a fome em qualquer lugar de seu.
Onde eu caiba, encaixe e você goste. Pode ser pela poesia. Ou pela conversa. Até por uma boa lembrança. Contando que você goste.
E lembre muitas vezes. Mas tantas vezes que fique confusa, nem sabendo o que sou em você.