10 de set de 2012

arte íntima

via Google imagens


este poema
desenha a boca
que ordenha
sua seiva viva

esboça a língua
que delineia - à risca -
os contornos
da escrita arisca

pinta o entremeio
das nuas entrelinhas
com - morna lisa -
textura de saliva

5 comentários:

Mara faturi disse...

Uiiiiiii!! que delícia de poema;))
Bjos!

Larissa Bello disse...

Adoro textos metalinguísticos!

Bjo

Lee disse...

A saliva
ordenha
a língua
o desenho
da boca
de entremeios.

Delineia
contornos
entrelinhas
íntimas
deste poema
seiva.

Esboça
a textura
arisca
e pinta
nua
a Monalisa
em você.


Lee



LauraAlberto disse...

com língua

beijo

NDORETTO disse...

Comadre!!!!!

( poema lindo, claro, imagine!!!!!)

AbrAçoSabraçosabraços :)