29 de mar de 2013

DESNOVELO


No emaranhado arrumadinho
do fio em novelo, num extremo
puxo a ponta e vou marcando
o caminho, enquanto do outro
me contorço e escarafuncho
para ficar no meio do miolinho.


4 comentários:

Raquel Consorte disse...

Olá,

Adorei o post e o poema. A nossa vida é como um novelo, vamos desenrolando e enrolando mais.

Beijos e obrigada por sempre passar no meu blog.

http://raquelconsorte.blogspot.com.br/

NDORETTO disse...


Eu gosto muito das coisas que você escreve. Gosto muito como desfia a sua poesia.

Autênticos enredos....!
Obrigada por escrever tão gostoso!
Beijinhos
Neusa

chris ritchie disse...

Puxa, Neusa! Me sinto honrada!
Eu é que agradeço a sua leitura!
xx

Mara faturi disse...

Concordo e imito a Neuzoca!! gosto imenso do que escreves...poesia bordada;))
Bjo, bjo!!!!