16 de jan de 2013

janeiros


Há em mim uma pressa, em dizer o instante da vida, o segundo que me traduz. Então, alvoraçada, crio palavras pequenas como pedras onde embrulho a  poesia e jogo  longe. Assim ,  quem pegar, desembrulha e me conhece .Ou me toca.Tira do caminho e  leva consigo.

Há em mim a pressa  de ser intensamente a vida, por onde venho à tona, mar de espontaneidade e repetição. Porque repito os sentimentos mesmo que sejam diferentes ( e o são) 

Repito a vida todos os dias nas batidas do  coração e no andar para frente. Não há originalidade em ser gente. 

Amo e sou amada porque todos amam igualmente, mesmo quando não mais sentem. 

Amo o espaço que há para ser amado em mim e cada sonho plantado alí; flor que nasce para ser apanhada pelas mãos desconhecidas. Porque as mãos do amor são desconhecidas.


Há em mim  o movimento brusco, a mudança repentina de ideia e a 


alma perguntando o porquê de todas as coisas. 



Se tão iguais ,por que ainda quero mais ?





5 comentários:

Mara faturi disse...

Ahh!! pode parar sister!!
que já nem sei, nem tenho o que dizer, como demonstrar o qto tua poesia me toca, me soluça, suspira... e pensar que um dia a "nossa amiga" (ex?) rsrsrrsrs, me disse - " vc precisa conhecer a poesia da Neusa, vcs escrevem parecido, disse que tínhamos "a navalha cortando a seda"...e , caramba!!!!! quem dera, quem dera!! vc é D+ sister!! Belíssimo poema proseado;)))))
bjo de sua fã:))))

Raquel Consorte disse...

É, a nossa memória é a alma falando pra onde gostaria de voltar né? rs

Obrigada pela visita.

Adorei seu blog :)

Estou seguindo aqui.

Mulher Vã disse...

É uma delícia estar assim nesta pressa de viver, parecendo um vento sacudindo tudo, um frêmito que arrepia de dentro pra fora, pegar aquele instante gostoso e sorver inteirinho para dentro de nós mesmos enquanto esta quente e suculento e fazer das palavras...a nossa redenção.

Beijo

Vã.

chris ritchie disse...

Porque você está diferente a cada dia... ?
Muito bonito!
xx

Larissa Bello disse...

"Amo o espaço que há para ser amado em mim..." Enxergar a existência abstrata do amor é celebrar e confirmar que ele se conclui por ser em si só a genuina expressão de estarmos vivos e vivenciando tal maravilhosa experiência com si próprio.

Parabéns!!