17 de fev de 2012

MOVIDA

Quando peguei a tua mão

pra não me deixar atropelar,

nada me passou pela cabeça

a não ser ser tua noite e dia

com vodca em barriga vazia

ou sóbria de filosofar

sobre Camus e Kafka.

Se a vida vale ou não a pena,

descobriremos em um beijo,

em algum outro lugar.

Então, toma agora a minha boca

e vamos buscar a tua cama.

5 comentários:

Larissa Bello disse...

Às vezes é só isso que é preciso.

Bjo

Mara faturi disse...

Uiiiiii!!!
Adorei...arrepiei; Pahhh!! este convite moça...eu diria ser irrecusável; com este poema??!! Ahhh...eu iria, rsrsrs
Bjo;)

Dilmar Gomes disse...

Cris, gosto deste estilo de poemas curtos, sintéticos, enxutos, talvez, porque o meu estilo é mais esparramado, verborrágico.
Um abração. Tenhas um lindo feriadão.

NDORETTO disse...

Bora, buscar essa cama!!!

Lindão!!!!

Beijo!!!

On The Rocks. disse...

Hum... bacana.