4 de abr de 2012

perecível


Perecível
Eu não guardo poesia
A poesia é dura
A poesia não esse molha
A poesia não estraga.

Ela não precisa ser guardada.
 Eu preciso. Eu estrago












5 comentários:

Mara faturi disse...

Ahh!! para com isso sister!! Vc não estraga nada;)))))
Vinho bom é o muy curtido, rsrsrs
AMORO este poema!
Bjos

Sílvia Nascimento disse...

muito bom... as palavras, imortais. nós, pobres mortais!

bj

Larissa Bello disse...

É verdade. A poesia não estraga nunca. Já nós, acho que não chegamos a estragar, mas amadurecemos.

Bjo

Mariela Mei disse...

Forte, foda!

chris ritchie disse...

Mas nós também estamos no poema...
Belo poema.
xx