9 de abr de 2012

la belle de jour

na tarde sombria
desceu a rua
de roupa amarela
desceu a rua
com uma imensa
destreza
e uma enorme
begônia
na lapela (artigo 12
dos “estatutos do homem”)

imaginou ser aquela que viu na janela
a bela da tarde que na tarde lhe sorria

mas sorria apenas
– sem alarde –
como diria Mecenas
(: a realidade
não combina com a poesia)

4 comentários:

chris ritchie disse...

Ah, mas seu poema mostra que combina sim!!

Fred Caju disse...

Saudações quem aqui posta e quem aqui visita.
É uma mensagem “ctrl V + ctrl C”, mas a causa é nobre.
Trata-se da divulgação de um serviço de prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins. Para saber mais, visitem o sítio do projeto.

CASTANHA MECÂNICA - http://castanhamecanica.wordpress.com/

Que toda poesia seja livre!
Fred Caju

Mariela Mei disse...

Adorei, Sidnei!

Mara faturi disse...

Combina sim e faz ótimos poemas;))
Bjo